Interações Medicamentosas seus Riscos e Benefícios à Saúde

Categorias: Medicina Alternativa, Opinião
Escrito por:

Interações Medicamentosas seus Riscos e Benefícios à Saúde

*LOPES, Tuany Pereira.

Resumo:

As interações medicamentosas podem trazer riscos e benefícios à saúde de nosso organismo tudo depende de como acontece à interação entre fármacos, alimentos e algumas substâncias.

Palavras – chave: Interações medicamentosas, Fármacos, Administração.

________________________________

*Acadêmica do 3º Semestre de Farmácia, da Faculdade de Quatro Marcos – FQM

1. Introdução:

O conhecimento sobre as propriedades básicas de fármacos e de sua ação  farmacológica é de suma importância para a realização de uma administração adequada considerando que o corpo humano é um sistema muito complexo formado por uma infinidade de substâncias que consequentemente entrarão em contato com os fármacos ingeridos. Além disso, é preciso estar ciente dos efeitos dos fármacos envolvidos na administração, para se evitar interações prejudiciais e possíveis efeitos adversos do fármaco que pode trazer riscos à saúde.

2. Desenvolvimento:

As interações medicamentosas são um evento clínico em que os efeitos de um medicamento são alterados pela presença de outro medicamento, alimento, bebida ou algum agente químico ambiental externo.  Ou seja, quando apenas é administrado um fármaco ele produz um determinado efeito esperado. Porém, quando o fármaco é associado a outro, ou alimentos e substâncias como tabaco, drogas, etc., ocorrem um efeito diferente do esperado, caracterizado como interação. Ela é causada por esses diversos fatores.

Na maioria das vezes a interação medicamentosa se reverte em risco e prejuízos à saúde de nosso organismo. O desfecho de uma interação medicamentosa pode ser perigoso quando promove aumento da toxicidade de um fármaco.

Por exemplo, pacientes que fazem uso de varfarina podem ter sangramentos se passarem a usar um antiinflamatório não-esteroide (AINE) sem reduzir a dose do anticoagulante. Mas algumas vezes, a interação medicamentosa reduz a eficácia de um fármaco, podendo ser tão nociva quanto o aumento. Um exemplo dessa condição é se o fármaco a tetraciclina for ingerida junto com outro fármaco um antiácido e alimentos lácteos, a tetraciclina sofre um processo quelação que faz com que ela seja excretada pelo organismo nas fezes, sendo assim ela produz o efeito antimicrobiano que era esperado. Algumas interações medicamentosas podem apresentar efeitos benéficos para o nosso organismo podendo ser utilizadas para aumentar os efeitos terapêuticos ou reduzir a toxicidade de um determinado fármaco ou podem apresentar efeitos nocivos, diminuindo ou eliminando a ação dos medicamentos.  .Um exemplo desta situação, é o uso do fármaco o ácido acetilsalicílico e a dipirona em pacientes quando administrados juntos, tem suas ações analgésicas potencializadas, que podem ser benéficas e úteis à saúde.

As interações medicamentosas são classificadas em interações físico-químicas e interações terapêuticas. As interações físico-químicas ocorrem na condição fora do organismo, pois entre drogas diferentes podem ocorrer inúmeras incompatibilidades, que levam a reações quando estas são misturadas em infusão intravenosa, frascos ou seringas, podendo ocasionar a inativação dos fármacos em questão. Um exemplo que pode ser citado é o fármaco anfotericina B que se for colocada em solução fisiológica sofre precipitação sendo assim deixa o fármaco inutilizável para infusão intravenosa.

As interações terapêuticas ocorrem dentro do organismo, após a administração do medicamento e podem ser farmacocinéticas ou farmacodinâmicas. Interações farmacocinéticas ocorrem durante os processos de absorção, distribuição, biotransformação e excreção dos fármacos. Por exemplo, o fármaco cimetidina (anti-histamínico H2), inibe dentro do organismo a biotransformação de acetaminofeno.Nas interações farmacodinâmicas ocorrem nos sítios de ação dos fármacos, que envolvem mecanismos  pelos quais os efeitos farmacológicos se processam.

As interações farmacodinâmicas são divididas em interações farmacodinâmicas sinérgicas e interações farmacodinâmicas antagônicas.

Nas interações farmacodinâmicas sinérgicas os fármacos podem ter as ações de sinergismo de adição, onde o efeito final do fármaco é igual à soma dos efeitos das duas drogas isoladas e ação de sinergismo de potenciação, onde o efeito final do fármaco é maior que a soma dos efeitos individuais.

Nas Interações farmacodinâmicas antagônicas uma droga antagoniza o efeito de outra droga.

As interações medicamentosas nem sempre podem se diagnosticadas em pacientes, porque cada indivíduo reage a sua maneira. Pois alguns estão mais propensos a evidenciar interações adversas, como os idosos, os insuficientes renais, hepáticos, cardíacos e respiratórios, aqueles com hipotireoidismo, diabéticos e entre outras doenças. Também se deve considerar  outras causas que podem interferir na farmacocinética dos medicamentos, como o estado nutricional do paciente, patologias associadas, as características genéticas do indivíduo, etc.

Uma das principais causas de interações medicamentosas atualmente é a prescrição simultânea de vários medicamentos a um mesmo paciente, principalmente quando este se encontra internado. A automedicação, também é um fator importante, pois quando as pessoas vão se automedicar na hora de administrar os medicamentos elas não esperam um intervalo de tempo entre um medicamento e outro. Onde acontecem as interações, porque a ação do medicamento administrado com outro faz com que os efeitos de ambos se choquem provocando reações adversas que trazem risco à saúde. “Em se tratando de fármacos, torna-se válido ressaltar que o uso de um ou mais de medicamentos sem um intervalo de horas pode trazer sérios problemas à saúde de quem os usa, assim afirma Dr. Felício Citrado”. Por outro lado, também “esse uso inadequado de medicamentos sem intervalos entre um e outro faz com que haja um retardo nos tratamentos” assim afirma Prof. Penildo Silva.

Sem dizer também que as pessoas sem terem o conhecimento  fazem interações de fármacos com alimentos e outras substâncias que faz com que os efeitos do fármaco junto com essas promovam reações adversas que muitas das vezes são prejudiciais.

Por isso é importante ter o cuidado necessário quando se administra  vários medicamentos , pois deve haver  um intervalo de tempo entre um medicamento e outro.

Ter cuidado também se o paciente ou pessoa estiver em um período de terapia com algum fármaco, deve-se ter o cuidado ao consumir alguns alimentos e algumas substâncias com tabaco, cafeína entre outras substâncias para não haver a interação dos efeitos do fármaco com essas para que não aconteçam reações adversas que podem ser prejudiciais ao nosso corpo.

3. Considerações Finais:

Este trabalho foi realizado com intuito de alertar as pessoas de que as interações medicamentosas podem trazer sérios riscos e benefícios à sua saúde  e que elas devem tomar o máximo de cuidado com as interações de fármacos.

Bibliografia:

DR.CITRADO do Prado, Felício do Prado e Dr. Almeida, de Ramos, Jairo; Atualização Terapêutica, 2003.21º ed. São Paulo: Ed. Artes Médicas, 2003.

G.KATZUNG Bertran; Farmacologia Básica e Clínica. 9º Ed. Rio de Janeiro: Ed.Guanabara/ Koogan, 2005.

H.P. Range, J.M. Ritter e M.M. Dale ; Farmacologia.4º ed. Rio de Janeiro: Ed.   Guanabara/ Koogan,2001.

PROF.DR. SCHLLACK; Gustav; Farmacologia: Uma abordagem didática. Ed. Fundamento Educacional, 2005.

SILVA Penildo; Farmacologia. 6º ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara/ Koogan,2002.

Sobre Feed do Autor

Tuany Pereira Lopes,acadêmica do curso de Farmácia da Faculdade de Quatro Marcos - FQM situada na cidade de São José dos Quatro Marcos - MT.

Deixe seu comentário

Serviço 100% gratuito

Escreva artigos com facilidade e ferramentas divertidas de usar

Aumente sua credibilidade pessoal e reconhecimento

Conquiste novos clientes mostrando seus conhecimentos