Obama e o apoio da mídia – detalhes interessantes

Categorias: Notícias e Sociedade, Opinião, Política
Tags: , ,
Escrito por:

Ora sempre fui um fiel defensor da campanha para a presidência dos Estados Unidos em favor de Obama e continuo sendo. Acredito na mudança. No entanto, acho que a imprensa norte americana muitas vezes o favoreceu mais pela estafa com o governo Bush do que por justiça aos seus ideais políticos. De qualquer maneira, fica aqui registrado o meu comentário apenas a título de curiosidade já que a minha admiração pelo candidato e agora presidente, continua inabalável e espero que por muito tempo ainda. Apenas gostaria de demonstrar e postar algumas curiosidades.

A corrida da imprensa norte-americana em direção a Barack Obama deixou algumas perguntas no ar. O candidato democrata teve duas vezes mais apoio entre jornais do que John McCain (234 contra 105), mas a preferência não parou aí.

Segundo um levantamento da organização Center for Media and Public Affaris (CMPA), as noticias transmitidas pelas quatro principais redes de televisão dos Estados Unidos mostraram um viés favorável a Obama em 65% dos casos, contra 35% favoráveis a McCain.

A pesquisa monitorou o destaque dado às qualidades positivas ou negativas dos dois candidatos por meio das imagens transmitidas em 979 notícias ligadas à campanha eleitoral, num total de 33 horas e 40 minutos de programação nas redes ABC, CBS, NBC e Fox.

A tendência pró-Obama na mídia foi detectada também pelo Projeto pela Excelência no Jornalismo que apontou uma esmagadora maioria de notícias desfavoráveis ao candidato republicano desde o fim das grandes convenções partidárias, em agosto.

Alguns jornais como o The Los Angeles Times chegara a extremos que banir vídeos desfavoráveis a Obama – como o de um jantar em 2003, com líderes palestinos, no qual o senador democrata fez críticas a Israel.

O empenho da mídia em alinhar-se a Obama já levou muita gente a se perguntar sobre o porquê desta opção. A grande imprensa norte-americana sempre mostrou uma tendência liberal, mas a intensidade de seu envolvimento na campanha de 2008 parece ter mais a ver com uma tentativa de distanciar-se do governo Bush do que com uma admiração pelo senador por Illinois.

McCain e sua vice Sarah Palin bem que facilitaram o liberalismo de jornalistas e intelectuais pelas suas trapalhadas políticas e pela claudicante estratégia eleitoral. O clima do “já ganhou” era visível no noticiário dos jornais, bem antes do dia das eleições.

A aposta da imprensa ainda está por ser mais bem analisada porque ela parece uma decisão arriscada por vários motivos. O principal deles é que Obama continua uma grande incógnita do ponto de vista político. Seu passado nem sempre se pautou pela cartilha da grande imprensa de Washington e Nova York.

Está claro que a maioria da população dos Estados Unidos cansou de George Bush e de suas guerras. O desejo de mudança é palpável, mas as opiniões se dividem quando a discussão é sobre o tipo de mudança a ser concretizada.

Obama pode ser um excelente escudo da elite norte-americana contra os inevitáveis protestos que vão acontecer depois das eleições, quando o peso da recessão cair sobre a população, principalmente da classe média para baixo.

Mas há também outra questão menos visível. Os grandes jornais norte-americanos podem estar desconfiados da crescente influência que o pessoal da internet passou a ter junto a Barack Obama. Isto foi nítido desde o início da campanha, quando o candidato democrata só conseguiu se firmar depois que os ativistas usaram as novas tecnologias online para arrecadar donativos.

Depois disto vieram as grandes empresas do Vale do Silício, na Califórnia, que apostaram fundo em Obama, como foi o caso da Google, para citar apenas o caso mais conhecido. É toda uma nova geração de protagonistas do jogo econômico que começa a ocupar espaços em Washington, um território onde os grandes jornais norte-americanos sempre tiveram um lugar privilegiado.

Defensor e admirador de Obama devo admitir que fui e ainda sou, no entanto gostaria de registrar o que observo com uma postura conservadora e consciente, mas também otimista e que acredita num futuro mesmo em tempos de possível recessão. Vamos torcer para que esta crise seja realmente passageira e continuar apoiando uma mudança que acredito não será imediata, mas gradual.

John Kaweske é empresário em Miami Florida, Vancouver Canada e São Paulo Brasil.

Fatos e noticias relacionadas

Barack Obama, o presidente recém-eleito dos Estados Unidos, publicou uma carta, em espanhol, no seu site oficial, onde agradeceu a todos os colaboradores latinos que o ajudaram a se eleger.

Obama agradece especialmente ao jovem compositor e cantor cubano, José Conde, que escreveu e subiu no YouTube, seu tema Respóndele a Obama, onde pedia que todos votassem no senador democrata na terça-feira (4).

E, além de fazer um agradecimento especial à Shakira, George Lopez e Eva Longoria, Obama fez questão de agradecer à torcida brasileira: “Obrigado àquela senhora que, com freqüência, nos mandava suas bênçãos do Brasil (…). Obrigado a todos os nossos leitores e participantes do mundo todo”.

Sobre Feed do Autor

Empresario de Canada

Deixe seu comentário

Serviço 100% gratuito

Escreva artigos com facilidade e ferramentas divertidas de usar

Aumente sua credibilidade pessoal e reconhecimento

Conquiste novos clientes mostrando seus conhecimentos